Follow by Email

domingo, 4 de novembro de 2012

O Casamento de Muriel


Muriel Heslop é essa garota de cima, interpretada por Toni ColLette nessa produção australiana, que sabiamente faz parte das obras cinematográficas indicadas no livro 1001 filmes para ver antes de morrer. Pois bem, Muriel mora em Porpoise Spit, sonha em se casar e é uma fã incondicional do grupo sueco ABBA. Sua vida não é bem um conto de fadas, em casa, ela e seus irmãos são considerados inúteis por viverem uma vida acomodada e sem perspectivas.
       A virada na vida de Muriel acontece quando suas supostas amigas a expulsam do grupo, alegando que não está no nível delas por conta de seu jeito desleixado. Assim que rompem a amizade e decidem sair de férias sem Muriel, esta decide viajar para o mesmo local, com o dinheiro de um cheque em branco que sua mãe lhe ofereceu para ajudar a se tornar consultora de beleza.
Ao chegar no resort tropical, se reencontra com uma amiga da época de colégio, Rhonda Epinstall. E o estreitamento dessa amizade permite que Muriel experimente viver a vida sem repressões e ser quem ela sempre quis ser. Terminado o período da viagem, as duas se mudam para Sydney, e Muriel vê essa mudança como uma oportunidade de recomeçar a sua vida e tentar sair da inércia que a acompanhava em Porpoise Spit.


 Começa a trabalhar em uma vídeo locadora e até muda seu nome para Mariel, tão logo muda suas atitudes consegue conquistar um cliente da locadora.
Tudo ia muito bem, até que sua amiga Rhonda acidentalmente fica paraplégica. Mariel, sempre obcecada com casamentos, procura alguém nos classificados e vê uma oportunidade de matrimônio quando David Van Arkle, um atleta que tenta  competir nos jogos olímpicos, oferece uma quantia em dinheiro para obter a nacionalidade australiana.

 O que mais gosto no filme é que ele atua como um conto de fadas atual, só que dispensa a carruagem de abóbora e príncipes encantados, pois tudo progride assim como na vida real, cheio de percalços. A história de Muriel é uma inspiração, por mais que não seja aquela idealizada, de que todos podemos sair da nossa inércia e inutilidade para fazer a diferença, nem que seja somente em nossas próprias vidas, por nossos próprios objetivos.
David Van Arkle 
 Muriel e seu ótimo senso de moda









As caretinhas que faz ao longo do filme