Follow by Email

quinta-feira, 8 de junho de 2017

A Semente Maldita


Conhecido em português como "A Semente Maldita" ou "Tara Maldita" - olha que engraçado, esse filme me chamou a atenção de cara só pelos dizeres da capa. Caso esteja muito pequeno, se lê "O clássico terror que inspirou "A Profecia" e "Anjo Malvado", não sei você mas eu não precisei ler mais nada pra querer comprar e possuir - muahaha - esse filme. 
De 1956 e em p&b, o filme conta sobre a dissimulada menina Rhoda. Nas primeiras imagens temos uma menina muito doce que engambela pai e mãe como ninguém, só que a menina não é tão doce quando contrariada. Seu primeiro desentendimento é com um tipo de caseiro que, também não é bobo nem nada, não cai nessa suposta  doçura de Rhoda. Muito provavelmente ele não sabia que tinha se metido com a criança errada e assim segue, implicando com a menina e se dando muito mal. 


O senhor remédio para livrar as pessoas das maldades da pirralha Rhoda é só mesmo o tempo e a sua mãe Christine, que de pouco a pouco abre os olhos e decide não fechar mais, tentando descobrir o que acontece com a índole da menina. O legal é que ela entra em algumas discussões psicológicas com um amigo da família e o diálogo é muito bem feito. O diálogo do filme me chamou mesmo muito a atenção porque na minha experiência com filmes p&b o diálogo não costuma ser tão bem desenvolvido.  Nesse filme por exemplo, eles fazem praticamente sempre todo o sentido e se fazem bem necessários. Gosto também da atuação dos personagens, que não é tão natural quanto as que vemos hoje em dia, mas combina com o filme e principalmente com a época, em que tinha muito forte essa questão da etiqueta para as famílias mais ricas e todo um protocolo de comportamento (etiqueta, duh!). Outra coisa que é legal é que como é basicamente um dos pioneiros de filme de suspense (basicameeeeente), o filme faz um pedido para os espectadores para que não contem o final para ninguém (fator surpresa, HA). Mas vou ser sincera, em um mundo que já assistimos o Sexto Sentido e A Órfã, não faz muito sentido ir com grandes expectativas para o final.




Nenhum comentário:

Postar um comentário